Afinal, cães têm sentimentos?

capa_caosentimento

Sim, segundo o professor de neuroeconomia Gregory Berns, da Universidade Emory (Geórgia, EUA), descobriu que os cães, sim têm emoções, assim como nós humanos.

Este resultados foi afirmado a partir de exames de ressonância magnética no cérebro de doze cães que mostraram que eles usam a mesma parte do cérebro que nós para “sentir”.

Pelo fato dos cães não poderem falar, os cientistas baseiam-se em observações comportamentais para inferir no estariam pensando, mas isso é obviamente complicado e pode ser pouco confiável.

As pessoas geralmente não gostam de fazer exames de ressonância magnética porque precisam ficar completamente imóveis durante o procedimento. Na prática veterinária convencional, os animais são colocados sob anestesia para garantir que não vão se mover.

Devido à enorme complexidade da forma como as diferentes partes do cérebro estão ligadas umas às outras, geralmente não é possível relacionar uma única função cognitiva ou emoção a uma única região do cérebro, mas o núcleo caudado pode ser uma exceção. Partes específicas se destacam por sua ativação consistente para muitas coisas que os seres humanos gostam – tão consistente que, sob as circunstâncias corretas, pode prever as nossas preferências por comida, música e até mesmo beleza.

Nos cães, a pesquisa constatou que a atividade no núcleo caudado aumentou em resposta a sinais com mãos indicando alimentos. O caudado também se ativou para o cheiro de seres humanos conhecidos. E, em testes preliminares, ativou durante o retorno de um proprietário que tinha momentaneamente saído de vista.

Os neurocientistas chamam isso de homologia funcional, e pode ser uma indicação de emoções caninas.

A capacidade de experimentar emoções positivas, como amor e apego, significaria que os cães têm um nível de sensibilidade comparável à de uma criança humana. Berns acredita que isso levanta uma discussão para mudar a forma como os seres humanos pensam sobre os cães, que têm sido considerados propriedade.

Muitos países possuem leis que protegem os animais, mas elas também solidificam a ideia de que eles são coisas, “objetos” que podem ser descartados quando o “devido cuidado” é tomado para minimizar o seu sofrimento.

Berns sugere que um dia poderíamos defender os direitos de um cão com base nos achados de imagem cerebral. Se déssemos um passo além e concedêssemos a cães os direitos de uma “pessoa”, eles teriam uma proteção adicional contra a exploração. Fábricas, laboratórios e instituições poderiam ser condenados por violar o direito básico de autodeterminação de um cão – ou seja, além de apenas não maltratar, eles precisariam respeitar sua vontade.

Fonte: DailyMail e NYTimes

One Response

Deixe um Comentário

Proudly designed by Clickmidia.