Será que a tecnologia criou novos problemas profissionais?

capa_tecprofissao

É inegável o poder de comunicação da tecnologia atualmente. Sua capacidade de transformar a maneira de como interagimos mudou o mundo. O que há alguns anos atrás parecia se tratar de ficção científica, hoje é absolutamente normal e corriqueiro, como por exemplo, uma vídeo conferência.

O problema é que todo esse progresso e avanço tecnológico fizeram com que aparecessem pessoas com sérias dificuldades de concentração. E é justamente no trabalho, talvez no escritório, que tais problemas se tornem mais visíveis e deixem marcas mais profundas – tantos as boas quanto as ruins. A distração é um deles. Um estudo da Universidade da Califórnia mostra que profissionais que trabalham em frente a um computador são interrompidos (ou se interrompem espontaneamente) a cada três minutos. Assim, toda vez que isso acontece, leva-se até 23 minutos para retomar a atividade. “Em uma semana, um profissional distraído perdeu muitas horas de trabalho”, conta o psiquiatra Frederico Porto, consultor da LHH/DBM, empresa de colocação de executivos, de Belo Horizonte. E acrescenta: “Além disso, o desgaste mental de mudar de uma atividade para a outra faz a pessoa ficar muito cansada”.

Como se não bastasse, a tecnologia tem sérios efeitos sobre a ansiedade. O sistema de recompensa do cérebro, o mesmo que nos faz comer para não morrer de fome, se adaptou à era digital e acabou por ficar “carente” também de informação. De acordo com Kelly McGonigal, PhD em Psicologia e professora da escola de negócios da Universidade de Stanford, em São Francisco, a conseqüência é sentir necessidade de consumir notícias assim como se sente vontade de almoçar.

Por esses motivos, a Associação de Psiquiatria Americana incluiu a partir deste ano a desordem no uso da internet no Manual de Transtornos Mentais, espécie de lista das doenças psiquiátricas existentes.

Fonte: Revista Você S/A (Editora Abril – março de 2013)

Deixe um Comentário

Proudly designed by Clickmidia.