A ESFINGE CARIOCA

2l36kbn0

A Esfinge esconde um segredo que devemos desvendar com muita astúcia e inteligência. Conhecemos pessoas que são verdadeiras esfinges, mas as pedras ocultam muitos segredos que cativam os demais. Qual a chave para decifrá-los?

Aceite entrar neste mundo das charadas…

Pois a mais popular esfinge brasileira é a Pedra da Gávea, localizada no Rio de Janeiro, na Baía de Guanabara. No alto de uma montanha granítica, está um ser, cujo corpo bovino ostenta uma colossal cabeça humana. Alguns acreditam que seja uma formação natural, outros acham que é obra de seres humanos em tempo remoto.

No século passado encontrou-se nas paredes da montanha uma série de riscos que alguns estudiosos interpretaram como uma antiga inscrição. Alguns atribuiram-na aos fenícios, povos navegantes do Mediterrâneo, que acidentalmente chegaram às costas do Brasil antes que Pedro Álvares Cabral.

Segundo o Prof. Henrique José de Souza, fundador do Movimento eubiótico, esta esfinge foi realmente esculpida pelos fenícios e retrata a figura de um touro alado coroado, que foi construída a mando de um rei fenício que viveu no ano de 800 a.C., cujos filhos primogênitos eram gêmeos.

Mas há quem diga, que as inscrições fenícias vistas na Pedra da Gávea, não passam de fantasia delirante e é uma tentativa de tradução das nervuras da pedra.

Uma lenda indígena diz que o gigante da Pedra da Guanabara foi, em priscas eras, um índio que assassinou uma jovem índia. Como castigo, Nhanderú o transformou em pedra e o obrigou a vigiar a Baía. Alguns pescadores afirmam que, às vezes, levanta-se e vai passear. Para tal empreendimento, chama as nuvens e cobre os morros para ninguém notar a sua ausência.

Outras lendas falam que no seu interior está a tumba de um grande soberano indígena, cercado de ricos pertences. O cacique teria sido enterrado junto com seus súditos mais próximos, sacrificados ritualmente.

Pesquisas compulsadas, sugerem que as inscrições da Pedra da Gávea é uma das muitas e enigmáticas inscrições rupestres, litogrifos em linguagem erudita ou itacotiara, em língua indígena e a própria pedra sugere realmente uma esfinge apresentando o corpo de um boi, asas que levantam os flancos e a cabeça de um homem primitivo com um barrete alto e que é ao mesmo tempo um templo.

Os tamaios chamavam a Pedra da Gávea de “Metaracanga”, que significa “cabeça coroada”. Nas suas cercanias ou no topo muitas pessoas já sumiram de forma misteriosa. Também luzes estranhas, semelhantes ao fenômeno da “Mãe de fogo”, até hoje são vistas neste local e observados há muito tempo, pelos moradores das casas localizadas nos flancos da montanha. Dizem que todos aqueles que tentam desvendar seus mistérios são vítimas de alguma maldição: a esfinge esconde muito bem os seus segredos.

As diversas questões referentes a enigmas que perturbam a humanidade, são um lembrete de que a verdadeira história ainda está por ser descoberta. Até que novos segredos sejam revelados, a luta para decifrar o passado do Novo Mundo, certamente continuará a ser um campo fértil para confrontos intelectuais.

Nós não sabemos, porém, elas sim.

As pedras sabem,

E o recordam.

A escritura do passado

Encontra-se em seus lábios selados

E quem sabe um dia

tudo nos será revelado.

Deixe um Comentário

Proudly designed by Clickmidia.