Os 12 Serial Killers Mais Cruéis De Todos Os Tempos – 1ª Parte

Untitled-1

 

O que é um serial killer

Um assassino em série (também conhecido pelo nome em inglês, serial killer) é um tipo de criminoso de perfil psicopático que comete crimes com frequência, muitas vezes seguindo um método e não raro deixando sua “assinatura”. Curiosamente, os Estados Unidos, que possúem menos de 5% da população mundial, produziram 84% de todos os casos conhecidos de serial killers desde 1980. Muitos dos capturados aparentavam ser pessoas respeitáveis, atraentes, bem sucedidos e membros ativos da comunidade, até que seus crimes foram descobertos.

A seguir, os perfis de alguns assassinos em série, para que você conheça um pouco mais a respeito essas tenebrosas mentes criminosas:

 

Gilles de Rais, Barão de Retz-Bretanha

Gilles de Montmorency-LavalGilles de Rais, ou Gilles de Retz (10 de Setembro de1404 – 26 de Outubro de 1440), foi um “nobre” francês e soldado que participou de várias batalhas contra os ingleses ao lado de Joana D’Arc (considerada santa pela igreja católica e de quem era grande amigo). Foi acusado e condenado por torturar e estuprar um grande número de crianças. Juntamente com Erzsébet Báthory, aristocrata húngara que agiria no século seguinte, é considerado precursor dos serial killers modernos. Ele tinha um irmão, René de Susset, com o qual foi muito unido em sua infância.

O avô Jean

Após a morte de sua mãe e, posteriormente, a trágica morte de seu pai, os dois irmãos ficaram sob a tutela do avô materno, Jean de Craon. O avô ensinou aos garotos o narcisismo, a soberba, o poder e o orgulho, o que moldou a personalidade doentia de Gilles. No começo, Jean dava mais atenção ao irmão de Gilles, o que fez com que este, frustrado, vivesse fechado na biblioteca da casa. Lá ele encontraria seu alter ego e heróis, lendo livros sobre a Roma antiga. Ele via como os antigos imperadores romanos eram poderosos, ricos e matavam sem dever explicações a ninguém. Aos 14 anos, seu avô lhe deu uma armadura milanesa e o proclamou cavaleiro. Logo ele manejava uma espada e destruía bonecos de treino e demonstrava sua agressividade, primeiramente com animais, mas logo depois com seres humanos.

Primeiro assassinato

Com apenas 15 anos, cometeu seu primeiro assassinato. Chamou seu amigo Antoine para um duelo, que este pensou de brincadeira. Mas Gilles levou o duelo a sério, atingiu Antoine com a espada e o matou. Não foi sequer acusado, pois era nobre e Antoine era de origem humilde. Sua agressividade levou-o a entrar para a carreira militar, na qual poderia descarregar sua fúria assassina nos inimigos. Em 1420, casou-se com Catherine, que era de uma casa nobre da Bretanha. Porém Gilles dizia não amar a esposa e posteriormente, ficou evidente que ele era homossexual. Mais tarde, Gilles lutou ao lado de Joana D’Arc, por quem possuía uma estima muito grande. Com o tempo, as derrotas contra os ingleses e, posteriormente, a morte de sua ‘deusa’ Joana D’Arc, tornaram Gilles cada vez mais triste e sombrio.

Refúgio

Deixou a vida militar e refugiou-se no castelo de Tiffauges, onde seus demônios e sentimentos mais perversos afloraram. Entre 1432 e 1440, chegaram a contabilizar o desaparecimento de mais de 1.000 meninos entre 8 e 10 anos na Bretanha. Em seu castelo, Gilles estava rodeado de uma corte grotesca de bruxas, alquimistas e sadistas. Gastava toda a fortuna em obras artísticas que lhe recordavam as campanhas com Joana D’Arc e em festas para seus estranhos amigos e conselheiros. As bizarrices ocorriam ao cair da noite, quando ele torturava, estuprava e assassinava meninos, previamente sequestrados pelas bruxas. Para defender-se de acusações de que os meninos sequestrados eram levados ao seu castelo, Gilles dizia que os entregava à igreja para se tornassem padres.

O fim

Tudo acabaria em outubro de 1440, quando uma investigação levou até ele, em seu castelo. Em seu julgamento ele se declarou, a princípio, inocente. Entretanto, em um de seus transtornos de personalidade, dos quais já sofria há anos, ele assumiu a culpa, dizendo estar arrependido. Gilles documentou todos os assassinatos e ações conturbadas. As declarações chocaram a França, pois era considerado um herói pelo povo. Chegaram a contabilizar 200 vítimas, porém é certo que este número seja bem maior.

Em 26 de outubro de 1440, Gilles de Rais e seus cúmplices foram levados até Nantes, onde foram enforcados e depois queimados.

 

Javed Iqbal

Javed Iqbal Mughal, serial killer paquistanês culpado de abuso sexual e assassinato de 100 crianças. Em dezembro de 1999, Iqbal enviou uma carta para a polícia e um jornal local, em Lahore confessando o assassinato de 100 meninos, todos com idades entre seis e 16 anos. Na carta, alegou ter estrangulado e esquartejado as vítimas e dissolvido os seus corpos usando ácido clorídrico. Depois despejou os restos num local. Em sua casa, a polícia e os repórteres encontraram manchas de sangue nas paredes, no chão, a corrente com que Iqbal alegou ter estrangulado suas vítimas, além de fotografias de muitas das suas vítimas em sacos plásticos. Duas cubas de ácido com restos humanos parcialmente dissolvidos foram deixados a céu aberto com uma nota explicando que “os corpos na casa não foram totalmente eliminados para que as autoridades possam encontrá-los.”

A prisão

Em 30 de dezembro de 1999 ele foi preso e afirmou que tinha se rendido porque temia por sua vida e achava que a polícia iria matá-lo. Apesar de seu diário conter descrições detalhadas dos assassinatos, e apesar dos textos nos cartazes em sua casa, ele alegou no tribunal que era inocente e que o caso todo era uma farsa elaborada para chamar a atenção para a situação das crianças em fuga de famílias pobres. Declarou que sua confissão à polícia foi feita sob coação. Mais de uma centena de testemunhas depuseram contra Iqbal e seus cúmplices, que foram considerados culpados. Iqbal foi condenado à morte por enforcamento. O juiz proferiu a sentença dizendo: “Você vai ser estrangulado até a morte na frente dos pais cujos filhos você matou, Seu corpo será então cortado em pedaços e mergulhado em ácido, da mesma forma que você fez com as crianças.” Na manhã de 8 de outubro de 2001, Iqbal e seu cúmplice Sajid Ahmad foram encontrados mortos em suas celas. Aparentemente, tinham se suicidado tomando veneno. Iqbal é considerado o serial killer com maior número de vítimas da história do Paquistão.

 

Thug Behram

Thug Behram (ou Buhram) foi um indiano que estrangulou 931 pessoas entre 1790 e 1830. Ele assassinava suas vítimas com o “rumal” um lenço cerimonial branco e amarelo. Outro método era um laço de seda com um peso de chumbo pendurado nas pontas, parecido com as boleadeiras dos gaúchos. Normalmente, Behram não atuava só, saía com seus capangas, um bando de 30 a 50 homens apelidados de os “Thugee”, uma liga de assassinos considerados a primeira rede de mafiosos do mundo. Quando finalmente as forças Britânicas capturaram o monstro, ele proclamou orgulhosamente os seus assassinatos, ainda que não recordasse o número exato deles. Thug Behram é considerado o maior serial killer não militar da história e dificilmente alguém tomará dele este título. Behran foi condenado e enforcado em 1840.

Na próxima edição: Os 12 Serial Killers Mais Cruéis De Todos Os Tempos – 2ª Parte

2 Respostas

  1. camilo disse:

    Como podem existir pessoas com tanta maudade no coraçao
    espero q todas as pessoas mortas por esses loucos estejam repousando na sombra do altissímo>>>

  2. anderson (zinho) disse:

    sem comentários

Deixe um Comentário

Proudly designed by Clickmidia.