Os 12 Serial Killers Mais Cruéis De Todos Os Tempos – 2ª Parte

destaq

O que é um serial killer

Um assassino em série (também conhecido pelo nome em inglês, serial killer) é um tipo de criminoso de perfil psicopático que comete crimes com frequência, muitas vezes seguindo um método e não raro deixando sua “assinatura”. Curiosamente, os Estados Unidos, que possúem menos de 5% da população mundial, produziram 84% de todos os casos conhecidos de serial killers desde 1980. Muitos dos capturados aparentavam ser pessoas respeitáveis, atraentes, bem sucedidos e membros ativos da comunidade, até que seus crimes foram descobertos.

A seguir, os perfis de alguns assassinos em série, para que você conheça um pouco mais a respeito essas tenebrosas mentes criminosas:

Miyuki Ishikawa

Miyuki Ishikawa (1897 – data da morte desconhecida) foi uma parteira  japonesa e serial killer que assassinou, pelo menos, 103 crianças recém-nascidas durante a década de 1940.  Dois policiais acidentalmente encontraram os restos de cinco das vítimas de Ishikawa em 12 de janeiro de 1948. Autópsias realizadas nos corpos de cinco bebês provaram que eles não haviam morrido de causas naturais. Ela alegou que os pais dos bebês eram responsáveis ​​por suas mortes Ela e o marido foram presos em 15 de janeiro de 1948. Ao investigar mais, a polícia encontrou mais de 40 cadáveres na casa de um agente funerário. Trinta corpos foram mais tarde descobertos em um templo.  As autoridades julgaram os homicídios como crime de omissão.

O tribunal de Tóquio a condenou à pena de quatro anos de prisão, sentença extremamente leve, considerando que os assassinatos resultaram num um número de mortos que permanece inigualável por qualquer outro serial killer do Japão.  O escritor Kenji Yamamoto  referiu-se ao incidente como “inacreditável e insuportável.”

O método

Havia muitos bebês na maternidade em que ela trabalhava. Os pais da maioria desses recém-nascidos eram pobres e incapazes de criar seus filhos corretamente. Como ela também não podia criar os bebês, “resolvia” o problema deixando de dar aos bebês os cuidados necessários e as crianças morriam por causa dessa negligência. Posteriormente, ela chegou ao cúmulo de pedir pagamento por esses assassinatos. Ela e seu marido Takeshi solicitaram grandes somas de dinheiro dos pais, alegando que seria menos do que a despesa real de criar essas crianças não desejadas. O médico Shiro Nakayama também foi cúmplice nesse esquema e ajudou o casal falsificando atestados de óbito. 

 

Darya Nikolayevna Saltykova

Quem era

Darya Nikolayevna Saltykova  (1730-1801) foi uma “nobre” russa e  serial killer,  que se tornou famosa por torturar e matar mais de 100 de seus servos, a maioria mulheres e meninas. Ela ficou viúva com 26 anos de idade. Com a morte do marido, herdou uma grande propriedade, onde morava com seus dois filhos e inúmeros escravos. Muitas queixas logo chegaram às autoridades a respeito de mortes estranhas na propriedade. Mas as denúncias foram ignoradas, ou até resultaram em punição para os queixosos, porque Saltykova era bem relacionada com os poderosos da corte real.

Investigação

Mas os parentes das mulheres assassinadas apresentaram uma petição à imperatriz Catarina II e ela decidiu investigar o caso. As autoridades realizaram uma investigação meticulosa, questionando muitas testemunhas e examinando os registros da propriedade. Os peritos relataram 138 mortes suspeitas, a maioria atribuída a Saltykova. A investigação conduziu à prisão dela em 1762. Foi considerada culpada, mas a Imperatriz não sabia como puni-la, pois a pena de morte tinha sido abolida na Rússia em 1754, e ela precisava do apoio da nobreza.

Condenação

Em 1768, Saltykova foi acorrentada a uma plataforma em Moscou durante uma hora, com um sinal no pescoço com o texto: “Esta mulher é uma torturadora e assassina.”  Depois foi condenada à prisão perpétua e enviada ao Convento Ivanovsky, em Moscou, onde foi confinada ao porão. Quando morreu, foi enterrada ao lado de seus parentes no Mosteiro Donskoy.

 

Harold Frederick Shipman – O “Dr. Morte”

A personalidade

Por trás dos óculos que lhe davam um aspecto sério e confiável, pequenos olhos cinzentos inexpressivos e um silêncio obstinado, a personalidade do médico Harold Shipman, um dos maiores assassinos em série da história, será sempre tão misteriosa quanto os seus motivos. O clínico-geral de 57 anos de idade, apelidado de “Doutor Morte”, condenado à prisão perpétua em janeiro de 2000 pelo assassinato de 15 de seus pacientes, matou na realidade pelo menos 215, e talvez até 260, entre 1975 e 1998, segundo uma investigação polocial. Seus pacientes tinham total confiança nele e o chamavam carinhosamente de “Fred”. Durante os quatro meses de duração de seu julgamento, não foi possível estabelecer um motivo claro para os assassinatos, porque o médico sempre negou friamente os crimes. Embora tenha falsificado o testamento de uma de suas pacientes, os investigadores descartaram a motivação financeira. Casado e pai de quatro filhos, no ano de sua prisão, em 1998, 3.000 nomes constavam no arquivo de seu consultório.

A frieza

            Ele se manteve absolutamente imperturbável durante todo o processo, fraquejando apenas uma ou duas vezes diante da apresentação de provas irrefutáveis de que havia injetado doses fatais de veneno em seus pacientes. O advogado de defesa alegou o cansaço de seu cliente para justificar sua calma. O acusado negou todas as acusações e em nenhum momento manifestou remorso pelos seus crimes.

A imprensa

            Sem conseguir compreender suas motivações, a imprensa o classificou de “demônio”, “novo doutor Hyde” e até de “Mengele britânico”, como o chamou o “Times”, que não hesitou em compará-lo ao monstruoso carrasco de Auschwitz.

Trauma materno

           Nascido em 14 de janeiro de 1946, numa família de operários, Shipman acompanhou aos 17 anos a lenta agonia de sua mãe, Vera, que morreu de câncer de pulmão. Quando não existiam mais esperanças, viu os médicos injetarem doses diárias de morfina em sua mãe para aliviar o sofrimento. A maioria das vítimas de Shipman era formada por mulheres, todas de idade mais ou menos avançada. As autópsias revelaram que elas receberam grandes doses de morfina, droga que o médico possuía em abundância, segundo a polícia.

Primeira vez

Shipman matou pela primeira vez em 1975, apenas um ano depois de ter começado a exercer a profissão, e continuou cometendo crimes até sua prisão, em 7 de setembro de 1998. Das vítimas, 171 eram mulheres e 44 homens. A mais jovem era um homem de 41 anos, e a mais velha, uma senhora de 93. Na cidade de Hyde, onde se instalou em 1977, Shipman matou 214 de suas 215 vítimas confirmadas. Sua rotina homicida se acelerou em 1992, quando resolveu clinicar sozinho após brigar com os colegas com quem dividia consultório. O médico matou 16 pacientes em 1993, 11 em 1994, 30 em 1995, 30 em 1996 e 37 em 1997. Em 1998 voltou a matar mais 18 vezes, até ser descoberto por ter falsificado o testamento de uma de suas pacientes e vítimas, Kathleen Grundy. Esta foi a única vez em que o motivo do crime pareceu ser financeiro, a menos que se tratasse de uma forma inconsciente de autodenúncia.

Delirio                                                                                                     

           No início da investigação, Shipman teria confessado o “desejo de controlar a vida e a morte”. Os especialistas acreditam que ele talvez tenha ficado alucinado ao sentir que possuía o poder de controlar a vida. “Sou um ser superior”, ele declarou a um policial, antes de iniciar o silêncio que manteve desde então.

Na próxima edição: Os 12 Serial Killers Mais Cruéis De Todos Os Tempos – 3ª Parte

Nas edições anteriores: Os 12 Serial Killers Mais Cruéis De Todos Os Tempos – 1ª Parte

One Response

Deixe um Comentário

Proudly designed by Clickmidia.