Dicas preciosas aos que sofrem quando têm que acordar cedo

post-2

E aqui vai uma matéria para todas as pessoas que sofrem quando tem que acordar mais cedo.
Para quem tem essa dificuldade de acordar cedo ou de ser produtivo logo pela manhã, ir para a aula no período matutino ou pegar no trabalho cedinho é um verdadeiro sacrifício. Se essa é uma questão que atrapalha a sua vida, pode começar a respirar com um pouco de alívio: é possível inverter esse quadro ingrato.

Em sua coluna na revista Time, John Zeratsky contou como passou de uma pessoa de disposição matinal nula a alguém extremamente produtivo na parte da manhã. A mudança, segundo ele, aconteceu há cinco anos.

23112357576088

Basicamente, Zeratsky era o tipo de pessoa que chegava cedo às reuniões de trabalho sempre com uma expressão de cansaço, meio zumbi com uma cara de quase ressaca. Ainda assim, não significava que ele odiasse o período da manhã: ele apenas não conseguia estar disposto.

Zeratsky era mais produtivo à noite e ficava acordado sempre até muito tarde, diante do computador ou da TV. Toda essa atividade noturna acabou atrapalhando o seu casamento também, já que a sua esposa, Michelle, saía de casa muito cedo e, por isso, dormia cedo também. Acontece que, de repente, tudo mudou. Confira a seguir os conselhos de Zeratsky para quem quer mudar também:

 

1 – Café, luz e tarefas

23112411850089

“O café é enganosamente importante”, diz, explicando que a bebida não faz parte de sua lista apenas pela presença da cafeína, mas também pelo ritual que envolve o preparo do café. É durante o processo de passar café que ele se mantém acordado nos primeiros 15 minutos depois de sair da cama, no que chama de “período de baixa força de vontade”.
Enquanto consome a bebida sagrada, na cozinha, Zeratsky revê as tarefas que deve realizar ao longo do dia e, assim, vai despertando de verdade, e com bom humor.

Além disso, ele nos diz para não subestimarmos a importância da luz logo que acordamos, afinal somos biologicamente programados para despertar quando o ambiente fica claro e a querer dormir quando ele fica escuro. Quando não dá para levantar junto ou depois do nascer do Sol, o jeito é apelar para a luz artificial, sempre. “Quando acordo, acendo todas as luzes do apartamento”, diz ele.

Com relação às tarefas, Zeratsky diz que não tem como se sentir produtivo sem, de fato, estar fazendo algo. Por isso, aproveita o começo de todos os dias para realizar pequenos trabalhos: vale desde passar café até lavar louça e arrumar a cama.

 

2 – A preparação para uma boa noite de sono

23112431881090

Zeratsky nos lembra de que é importante sabermos quanto tempo de sono realmente precisamos para ter um dia produtivo. “Eu me sinto melhor depois de sete a oito horas de sono (e às vezes nove, especialmente no inverno)”, escreveu o autor. Como acorda às 5h45, costuma ir para cama às 21h45. Respeitar sua necessidade de sono é, portanto, fundamental nesse processo.

Além disso, o autor ressalta a importância de estarmos atentos ao que bebemos e comemos antes de ir para baixo das cobertas. Bebidas alcoólicas, por exemplo, prejudicam a qualidade do nosso sono, então é bom evitá-las. No caso do chocolate, que era um vício de Zeratsky, também houve mudança, afinal ele descobriu que muitos desses docinhos mágicos de cacau contêm cafeína, que, como todos sabem, é um poderoso estimulante.

Por fim, ele faz pequenas mudanças no ambiente onde dorme, ajustando a iluminação do quarto, desligando as luzes dos outros cômodos da casa, fechando as cortinas, retirando as almofadas decorativas da cama e transformando o quarto no ambiente mais relaxante possível.

Os conselhos de Zeratsky podem parecer simples em um primeiro momento, mas ao fazer todas essas pequenas mudanças é bem possível que, com o passar do tempo, seu corpo se acostume com essa rotina e você deixe de parecer a pessoa mais irritada, desatenta e sonolenta do mundo antes mesmo de dizer ou ouvir o seu primeiro “bom-dia”.

Fonte: Time/John Zeratsky

Imagem: Giphy/Shutterstock

Tags:

Deixe um Comentário

Proudly designed by Clickmidia.