Site dos EUA mostra o que o ‘Rio quer esconder nas Olimpíadas’

post1

Não pense que a celebração dos Jogos Olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro é um tema que gera polêmica apenas no Brasil. Diversos países já manifestaram sua preocupação com respeito à escolha da Cidade Maravilhosa como sede das competições, e o vídeo que você poderá ver logo mais, criado pelo portal norte-americano Vox, é um reflexo do receio internacional.

Mais precisamente, o site conversou com cariocas comuns, pessoas que trabalham ou que pertencem às comunidades mais pobres do Rio e com membros da imprensa internacional que estão fazendo a cobertura dos preparativos do evento, e divulgou um filminho listando uma porção de problemas sérios que as autoridades brasileiras estão enfrentando e que elas não querem que os visitantes estrangeiros vejam. Assista a seguir:

 

Desembarcando na Cidade Maravilhosa

O vídeo começa explicando o que os turistas veem ao deixar o aeroporto internacional e se dirigir para a zona sul da cidade, onde se encontram as praias mais icônicas: um enorme muro que esconde o Complexo da Maré, onde existe o agrupamento de diversas favelas que se espalha por vários quilômetros.

11165624429405

O pessoal do site entrevistou moradores da Maré, que contaram que as autoridades explicaram que a instalação do muro tinha como objetivo funcionar de barreira acústica para os residentes locais. Entretanto, a verdade é óbvia. A estrutura serve para esconder dos visitantes internacionais a realidade carioca.

Segundo o vídeo, os moradores do Complexo da Maré não têm acesso a sistemas de esgoto, não têm direito à habitação, e muitos não têm nem o que por em suas mesas. Contudo, ironicamente, as autoridades estão preocupadas em proteger seus ouvidos do ruído produzido pelo aumento do tráfego na região por conta da celebração das Olimpíadas.

11165901757407

Em determinado trecho do trajeto, o muro se torna transparente para mostrar uma escola novinha em folha que foi construída para os jovens da Maré. Esse é apenas um exemplo do que quase sempre acontece quando o Rio de Janeiro é escolhido para sediar algum evento internacional. A cidade se mobiliza para criar a infraestrutura necessária para transmitir a imagem de que ela é maravilhosa e está preparada para receber turistas.

 

Exemplos

O pessoal do Vox citou como exemplos o que aconteceu quando o Rio de Janeiro sediou os Jogos Pan-Americanos em 2007, a Rio+20 em 2012 e a final da Copa do Mundo de 2014, dizendo que o problema é que uma porção de coisas feitas para esses eventos acabam ficando aí e nem sempre a população tira qualquer proveito das obras que foram criadas com uma imensa quantidade de dinheiro público que podia ter sido investido no povo.

11170047554412

O problema é que a mesma história está se repetindo com os Jogos Olímpicos, mas provavelmente em uma escala ainda maior. Uma das cariocas que conversaram com o pessoal do site e que é usuária do sistema de transporte público do Rio contou que percebeu grandes mudanças nas rotas dos ônibus.

11170315992418

Ela apontou 11 linhas que ligavam a zona norte (pobre) à sul (turística) e que  simplesmente desapareceram em preparação às Olimpíadas, dificultando o acesso de quem vive em locais mais humildes às áreas mais turísticas. Segundo essa mesma carioca, a intenção de “limpar” a região de pessoas indesejáveis pobres, negros etc, sempre existiu, mas agora existe uma razão para que isso seja feito, assim como um prazo. E a coisa fica ainda pior.

 

Discriminação

Acontece que, assim como ocorre em muitos outros locais do Rio de Janeiro, a Barra também se tornou alvo da ocupação irregular e, ao longo das décadas, inúmeras comunidades foram se estabelecendo na região, das quais muitas inclusive chegaram a ser reconhecidas legalmente. Contudo, por conta dos planos de revitalizar a região, os moradores receberam ordens de despejo e foram informados de que seriam relocados em complexos habitacionais.

11170238601416

Muitos cariocas saíram de suas casas nos arredores da Barra, mas outros tantos decidiram ficar e lutar por seu direito de permanecer por lá. Uma das comunidades que resolveu bater o pé e ficar foi a Vila Autódromo que não se encontra na área da Arena Rio propriamente dita, mas está em plena vista dos visitantes.

Das 600 famílias que compunham a comunidade, cerca de 20 decidiram ficar para lutar por seus lares e, apesar da resistência, viram quase tudo o que haviam construído ao longo dos anos ser derrubado pelas autoridades. Segundo o vídeo, os fortes confrontos e a pressão da imprensa acabaram levando o prefeito do Rio a ceder e ele garantiu que os moradores poderiam ficar, contanto que eles se mudassem para casas melhores, financiadas pelo governo.

11170510382425

E a explicação? Conforme apontou Orlando Santos Jr., professor de planejamento urbano da Universidade Federal do Rio de Janeiro que falou com o pessoal do Vox, o que impede a Vila Autódromo de permanecer em uma área adjacente ao Parque Olímpico? Não existe nenhuma razão urbanística que justifique a remoção das pessoas dali. A razão está nos interesses econômicos relacionados à valorização imobiliária da área.

De acordo com o vídeo, segundo fontes governamentais, desde 2009, mais de 77 mil foram relocadas no Rio de Janeiro, e tudo para “abrir” espaço para a instalação da infraestrutura relacionada com a Copa do Mundo e as Olimpíadas. É claro que essas obras todas também trouxeram muitos benefícios para a população carioca — na forma de novas linhas de ônibus, da revitalização da cidade de um modo geral e da criação de novos museus e parques.

Contudo, essas mesmas obras custaram bilhões de reais que poderiam ter sido investidos em quem mais precisa e não para esconder os mais humildes da vista dos visitantes e nem para beneficiar aqueles que já têm dinheiro de sobra. E você, caro leitor, concorda com o que foi revelado pelo vídeo divulgado pelo Vox? Qual é a sua opinião sobre o Rio de Janeiro ser sede dos Jogos Olímpicos?

Fonte: VOX

Tags:

Deixe um Comentário

Proudly designed by Clickmidia.