Já existe série de exercícios que melhora o corpo em sete minutos

capa_malhando

Quem tem pouco tempo e não está disposto a investir em academia nem em equipamentos de exercício já pode comemorar.

Um programa desenvolvido por dois especialistas em treinamento do Human Performance Institute, de Orlando (EUA), promete o máximo de resultado com o mínimo de investimento.

Depois de analisarem uma série de estudos sobre treinamento e boa forma, Brett Klika e Chris Jordan publicaram na edição de maio/junho da revista técnica “Health & Fitness Journal” um artigo apresentando um tipo de treinamento de “alta intensidade” com “uso do peso corporal”.

O estudo, que tem base científica propõe combinar exercícios aeróbicos (como corrida no lugar) com exercícios de resistência/força (como flexão de braço). Cada um é realizado por 30 segundos, em alta intensidade tentando o máximo possível de repetições), e o intervalo de recuperação é de apenas 10 segundos.

O pacote todo dura apenas “aproximadamente sete minutos”, conforme o texto descreve. O circuito pode ser repetido duas ou três vezes, dependendo do condicionamento do atleta e do tempo disponível.

Foi o que bastou para ser apelidado de “treino científico de 7 minutos” em texto no “New York Times” e, a partir dali, em uma fieira de lugares, do internético “Huffington Post” ao britânico “Daily Mail”, e em publicações especializadas em boa forma.

Há vídeos gratuitos mostrando como executar a série e aplicativos com cronômetros digitais para monitorar a execução da tarefa.

  • CONTRAINDICAÇÕES

Mesmo assim, entrar em forma com um programa de exercícios de menos de 15 minutos que não custa nada é altamente sedutor. Há, porém, diversas contraindicações, como assinalam os criadores do circuito: “É preciso cuidado ao propor treinamento de alta intensidade para pessoas mais velhas ou obesas, candidatos destreinados, com lesões anteriores ou problemas de saúde; os exercícios isométricos não são recomendados para quem tem hipertensão ou problemas cardíacos”.

O próprios autores alertam: Ao tentar fazer tudo da forma mais rápida possível, o aluno corre o risco de fazer os exercícios de forma inadequada, aumentando a chance de lesão.

Fonte: Folha de São Paulo

Deixe um Comentário

Proudly designed by Clickmidia.