Era uma vez, um homem sem memória

capa_henry
Entender o funcionamento da memória só foi possível graças ao americano Henry Gustav Molaison. Henry morreu em 2008, aos 82 anos.
A história de Henry começou em 1953, quando um neurocirurgião abriu dois buracos na frente de seu crânio e sugou metade do hipocampo e a amígdala cerebral com o objetivo de curar uma epilepsia. Funcionou, mas o efeito colateral foi vitalício: Henry nunca mais conseguiu armazenar uma nova memória por mais de 20 segundos.
O que sobrou foram histórias do passado distante. Todas as manhãs, ao se olhar no espelho, era uma surpresa: Henry não se reconhecia (isso mesmo, como no filme ‘Como se fosse a primeira vez’). O susto de manhã se dava porque ao dormir ele esquecia o que havia vivido e sempre acordava achando que tinha 27 anos, quando fez a cirurgia. Incrível não?
O caso despertou curiosidade na comunidade científica. Até sua morte, ele foi estudado exaustivamente por grupos de especialistas do MIT e da Universidade da Califórnia e foi assim que se chegou a conhecimentos essenciais para a evolução da neurociência, como em que região do cérebro se forma e se armazena a memória de curto prazo — o hipocampo, mutilado em Henry.
Um ultrassom divulgado pelo MIT em 1982 fez dele uma personalidade da neurociência: era a primeira imagem de um cérebro sem um grande pedaço do hipocampo.
Os cientistas perceberam que as conexões de neurônios que alimentam a memória também ocorrem em outras áreas. Por isso, Henry não conseguia armazenar novas lembranças, mas era capaz de aprender atividades repetitivas e instintivas, como desenhar.
  • Lado bom
Por estar preso ao presente, Henry não acumulou rancores nem ressentimentos. Estava sempre bem-humorado, segundo os médicos que o acompanhavam.
A pedido do paciente, seu cérebro foi doado para o MIT logo após sua morte e fatiado em 4.201 camadas finíssimas.
Fonte: Galileu

Deixe um Comentário

Proudly designed by Clickmidia.